quinta-feira, junho 17, 2021
Home Política Voto impresso é ‘retrocesso’ e pode levar à judicialização das eleições, diz...

Voto impresso é ‘retrocesso’ e pode levar à judicialização das eleições, diz Barroso

Há um ano e meio das eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou na sexta-feira, 14, uma campanha para mostrar que a urna eletrônica é segura e transparente. O presidente do TSE, ministro Luis Roberto Barroso, nega que o objetivo seja responder ao presidente Jair Bolsonaro, que critica abertamente a urna eletrônica e defende a aprovação de uma PEC para tornar o voto impresso obrigatório. Segundo Barroso, quem critica a urna eletrônica ou coloca em dúvida o seu resultado precisa apresentar as provas. Caso contrário, o questionamento não passa de retórica política. Para informar a população sobre a transparência e segurança da urna eletrônica, o TSE vai fazer uma campanha de esclarecimento.

“Não é uma campanha de resposta a ninguém, não é uma campanha de polemização. É apenas uma campanha de transparência para que a sociedade tenha conhecimento pleno, informação fidedigna sobre a lisura do nosso sistema eleitoral.” O ministro ainda lembrou que a proposta tem um custo estimado de R$ 2 bilhões. Ele questiona inclusive se esse seria o momento adequado de assumir uma despesa como essa. O ministro Barroso explicou ainda que o Congresso é o lugar certo para discutir o assunto e garantiu que, se o voto impresso for aprovado, ele será implementado se não for novamente considerado inconstitucional pelos ministros do STF. Ele explicou, no entanto, que é papel do TSE apontar uma série de problemas na proposta. “Eu acho que seria inútil, relativamente ao discurso da fraude. Porque esse é um discurso político. Nos EUA, havia voto impresso. Boa parte das pessoas que defendem o voto impresso no Brasil afirmaram que houve fraude nas eleições americanas. Portanto, nós ficaríamos no mesmo lugar.”

Roberto Barroso ainda alertou para o risco de judicialização de candidatos eleitos serem proibidos de assumir os cargos. Ele lembrou que já foi feita uma tentativa de se instituir o voto impresso em 2002, mas o resultado não teria sido bom. “Houve filas, houve atrasos, houve um aumento de número de votos brancos e nulos, houve o emperramento das impressões. Simplesmente não foi uma boa experiência, no relatório do TSE está documento a má experiência que foi a implantação do voto impresso.” Roberto Barroso ainda afirmou que, para a Justiça Eleitoral, não existe tema tabu: que ele não apoia, mas aceita discutir o assunto sem problema. O presidente Jair Bolsonaro tem afirmado que se o Congresso aprovar o voto impresso e ele não for implementado não haverá eleição no ano que vem.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin 

- Advertisment -

Most Popular

Barroso concede a Carlos Wizard direito de ficar em silêncio durante depoimento à CPI da Covid-19

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu ao empresário Carlos Wizard o direito de ficar em silêncio e não produzir...

Justiça Federal torna Witzel réu por organização criminosa após denúncia do MPF

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, virou réu por organização criminosa após a Justiça Federal aceitar uma denúncia do Ministério Público Federal...

Justiça Federal torna Witzel réu por organização criminosa após denúncia do MPF

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, virou réu por organização criminosa após a Justiça Federal aceitar uma denúncia do Ministério Público Federal...

Condenado, Arthur Lira elogia projeto que afrouxa Lei de Improbidade: ‘Avanço para proteger o bom gestor’

Por 408 a 67 votos, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 16, o Projeto de Lei 10.887/18. O novo texto, do relator Carlos Zarattini...