terça-feira, abril 13, 2021
Home Política Plenário da Alesp decide na quarta-feira sobre suspensão de Fernando Cury

Plenário da Alesp decide na quarta-feira sobre suspensão de Fernando Cury

Após reunião do colégio de líderes da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), nesta segunda-feira, 29, o presidente da Casa, Carlão Pignatari (PSDB), agendou a votação da suspensão de Fernando Cury (Cidadania) para quarta-feira, 31. Em dezembro, Cury foi flagrado pelas câmeras da Alesp apalpando a colega Isa Penna (PSOL). Ele foi punido pelo Conselho de Ética com 119 dias de suspensão não remunerada. Isa e seus aliados protocolaram uma emenda modificando a pena de Cury de suspensão para cassação. “Nós estamos aguardando que o presidente coloque em pauta com tempo hábil para que a gente possa apresentar as emendas e, eventualmente, se esse direito for cerceado, nós vamos judicializar o caso”, afirmou Isa. Normalmente, projetos de resolução podem receber emendas, mas por se tratar de um caso inédito na Alesp, ainda há dúvidas sobre a possibilidade.

Enquanto deputados favoráveis a Isa entendem que cabe, sim, modificar a pena imposta no Conselho de Ética, outros parlamentares afirmam que a decisão do colegiado só pode ser referendada ou rechaçada –com voto sim ou não. O deputado Emídio de Souza (PT), relator do processo na Comissão de Ética da Casa, apresentou na semana passada uma questão de ordem, questionando a hipótese. Pignatari prometeu que a resposta será publicada hoje no Diário Oficial. O petista aposta que o entendimento do presidente será o de que não cabem emendas. O calendário definido por Carlão também foi considerado um atropelo por aliados de Isa, que veem benefício a Cury. De acordo com Emídio de Souza, os parlamentares de esquerda pleitearam que a votação ocorresse só na semana que vem, mas o tucano não cedeu. “Nós estamos preparando a judicialização. Se ele impedir os deputados de apresentarem emendas ou substitutivo, nós vamos imediatamente judicializar essa questão. Vamos entrar com mandado de segurança para segurar o direito do deputado de exercer o seu papel, que é alterar o projeto”, argumentou Emídio. Há, ainda, outras emendas apresentadas pelos deputados Barros Munhoz, do PSB, e Arthur do Val, do Patriota, e que pedem afastamento de seis meses do cargo.

*Com informações da repórter Caterina Achutti

- Advertisment -

Most Popular

CPI da Covid-19 vai investigar verbas da União destinadas a Estados e municípios

Após a decisão liminar do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), fará, na tarde...

‘Bolsonaro queria que telefonema fosse divulgado’, afirma Jorge Kajuru

O senador Jorge Kajuru afirmou que o presidente Jair Bolsonaro queria que o áudio da conversa de ambos gravado no sábado, dia 10, fosse...

Tarcísio Gomes de Freitas nega que nova lei de trânsito beneficie infratores

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, rebateu críticas de que parte das mudanças no Código de Trânsito Brasileiro favorecem os infratores. Especialistas...

Deputada Margarete Coelho defende maior clareza na Lei de Segurança Nacional

A Câmara dos Deputados vota a urgência na revisão da Lei de Segurança Nacional. A relatora do projeto, deputada Margarete Coelho (PP), promete a...