domingo, maio 9, 2021
Home Política Governo Bolsonaro prepara estratégia de defesa contra 23 acusações na CPI da...

Governo Bolsonaro prepara estratégia de defesa contra 23 acusações na CPI da Covid-19

Enquanto a CPI da Covid-19 não é instalada no Senado, o governo do presidente Jair Bolsonaro prepara sua estratégia de defesa contra 23 possíveis acusações relacionadas à atuação do Executivo federal no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Uma tabela elaborada pela Casa Civil foi encaminhada por e-mail a 13 ministérios, que deveriam levantar informações, elaborar respostas sobre os tópicos e encaminhá-las à pasta comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos até a sexta-feira, 23. A instalação da comissão ocorrerá na manhã desta terça-feira, 27 – nesta primeira sessão, serão escolhidos o presidente, o vice-presidente e o relator do colegiado. Um acordo costurado pela maioria dos integrantes prevê que os postos sejam ocupados, respectivamente, pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL).

A planilha elaborada pela Casa Civil, inicialmente revelada pelo UOL, foi obtida pela Jovem Pan. No documento, o governo lista 23 afirmações, entre elas: “O governo foi negligente com processo de aquisição e desacreditou a eficácia da CoronaVac (que atualmente se encontra no PNI”; “o governo minimizou a gravidade da pandemia (negacionismo)”; “o governo não incentivou a adoção de medidas restritivas”; “o governo promoveu tratamento precoce sem evidências científicas comprovadas”; “o governo retardou e negligenciou o enfrentamento à crise no Amazonas”; “o governo não coordenou o enfrentamento à pandemia em âmbito nacional”; “o governo entregou a gestão do Ministério da Saúde, durante a crise, a gestores não especializados (militarização do MS)”; “o presidente Bolsonaro pressionou Mandetta e Teich para obrigá-los a defender o uso da hidroxicloroquina”; “o governo federal recusou 70 milhões de doses da vacina da Pfizer”; e “o governo federal fabricou e disseminou fake news sobre a pandemia por intermédio do seu gabinete do ódio”.

Considerando a composição da CPI da Covid-19, o governo Bolsonaro tem minoria. Dos 11 integrantes, apenas quatro são aliados: Ciro Nogueira (PP-PI), Jorginho Mello (PL-SC), Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE). Outros cinco parlamentares são considerados independentes, casos de Omar Aziz (PSD-AM), Otto Alencar (PSD-BA), Eduardo Braga (MDB-AM), Renan Calheiros (MDB-AL) e Tasso Jereissati (PSDB-CE). A oposição, por sua vez, conta com os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE). Autor do requerimento para criação da comissão, Rodrigues foi ao Twitter comentar a elaboração da planilha. “O governo sabe quais foram suas práticas criminosas na pandemia. A lista elaborada pela própria Casa Civil, aponta alguns dos crimes a serem investigados pela CPI da Pandemia. Um governo que planeja e trabalha em sua defesa mas se omitiu na defesa da vida do povo”, afirmou.

Leia abaixo a lista elaborada pela Subchefia de Articulação e Monitoramento da Casa Civil:

  1. O governo foi negligente com processo de aquisição e desacreditou a eficácia da CoronaVac (que atualmente se encontra no PNI);
  2. O governo minimizou a gravidade da pandemia (negacionismo);
  3. O governo não incentivou a adoção de medidas restritivas;
  4. O governo promoveu tratamento precoce sem evidências científicas comprovadas;
  5. O governo retardou e negligenciou o enfrentamento à crise no Amazonas;
  6. O governo não promoveu campanhas de prevenção à covid;
  7. O governo não coordenou o enfrentamento à pandemia em âmbito nacional;
  8. O governo entregou a gestão do Ministério da Saúde, durante a crise, a gestores não especializados (militarização do MS);
  9. O governo demorou a pagar o auxílio-emergencial;
  10. Ineficácia do Pronampe;
  11. O governo politizou a pandemia;
  12. O governo falhou na implementação da testagem (deixou vencer os testes);
  13. Falta de insumos diversos (kit intubação);
  14. Atraso no repasse de recursos para os Estados destinados à habilitação de leitos de UTI;
  15. Genocídio de indígenas;
  16. O governo atrasou na instalação do Comitê de Combate à Covid;
  17. O governo não foi transparente e nem elaborou um plano de comunicação de enfrentamento à covid;
  18. O governo não cumpriu as auditorias do TCU durante a pandemia;
  19. Brasil se tornou o epicentro da pandemia e “covidário” de novas cepas pela inação do governo;
  20. General Pazuello, general Braga Netto e diversos militares não apresentaram diretrizes estratégicas para o combate à covid;
  21. O presidente Bolsonaro pressionou Mandetta e Teich para obrigá-los a defender o uso da hidroxicloroquina;
  22. O governo federal recusou 70 milhões de doses da vacina da Pfizer;
  23. O governo federal fabricou e disseminou fake news sobre a pandemia por intermédio do seu gabinete do ódio.

 

- Advertisment -

Most Popular

Bruno Covas posa do hospital e diz ‘não baixar a cabeça’ na luta contra o câncer

Prefeito licenciado da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) usou as redes sociais para postar uma foto sua no Hospital Sírio Libanês, onde...

PSB pede que Fachin intime governador do Rio por operação no Jacarezinho

O Partido Socialista Brasileira (PSB) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin que intime o governador do Rio de Janeiro, Cláudio...

‘Gabinete paralelo’, negociação com a Pfizer e atuação da Anvisa: os próximos passos da CPI da Covid-19

Quem acompanhou a primeira semana de depoimentos à CPI da Covid-19 pôde perceber que a prescrição de cloroquina, ivermectina e outros remédios comprovadamente ineficazes...

Após ser vacinado com a CoronaVac, Doria comemora: ‘O detalhe, de calça apertada’

Aos 63 anos, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi vacinado contra a Covid-19 em uma unidade pública de saúde em Pinheiros,...