terça-feira, abril 13, 2021
Home Política Especial Lava Jato: Operação fez com que percepção da impunidade mudasse no...

Especial Lava Jato: Operação fez com que percepção da impunidade mudasse no Brasil

O dicionário dos brasileiros ganhou novos termos nos últimos sete anos. E o combate à corrupção nunca esteve tão presente na vida das pessoas: delação premiada, condução coercitiva, força tarefa, mandados de busca, offshores são palavras hoje conhecidas. O dia 17 de março de 2014 foi marcado pela primeira de 80 fases da Operação — e, entre os detidos, o doleiro Alberto Youseff. A Polícia Federal deu o nome de Lava Jato por causa de um posto de combustíveis de Brasília: estabelecimento era usado como fachada para movimentar valores de origem ilícita.

Os depoimentos paravam o Brasil. Por meio de Alberto Youssef, os investigadores chegaram a Paulo Roberto Costa — levado à diretoria da Petrobras pelo deputado José Janene, morto em 2010. Na época, a estimativa era de que os esquemas de lavagem de dinheiro e evasão de divisas movimentaram R$ 10 bilhões. Um castelo de cartas começou a desmoronar: as prisões foram se ampliando, como a de Nestor Cerveró. As delações premiadas eram devastadoras. A Operação atingiu grandes empreiteiras brasileiras, como a Odebrecht, Andrade Gutierrez e AOS. Os presidentes das empresas foram presos.

Isso fez com que a percepção sobre a impunidade pudesse mudar no Brasil. Políticos como Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, José Dirceu, Delcídio do Amaral e Antônio Palocci eram arrastados pelo furacão. O petista André Vargas, então vice-presidente da Câmara, foi envolvido no esquema, renunciou ao cargo de comando e se desfiliou do partido. Em 2014, depois da Copa do Mundo, a crise econômica se agravou no Brasil. Mesmo assim, Dilma Rousseff conseguiu a reeleição. A presidente da República não perdia a chance de atacar os métodos de investigação da Lava Jato.

Dilma Rousseff estava irritada com Delcídio, que a acusava de interferir na Operação. Em 2016, o senador e ex-líder do governo teve o mandato cassado. Para o cientista politico Rubens Figueiredo, a Lava Jato representou uma mudança de paradigma. “Porque ela fez os brasileiros acreditarem que aqui não existia, pelo menos em termos ideais, a impunidade. E a Lava Jato escancarou para a sociedade um esquema sistêmico de corrupção.” A população brasileira começou a se familiarizar com os procuradores da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Chamado de coordenador da força tarefa da Lava Jato na capital paranaense, Deltan Dallagnol travava contra a corrupção. As operações e as prisões eram autorizadas por aquele que passou a ser considerado um paladino da moralidade: Sergio Fernando Moro. O juiz de Curitiba era um estudioso da Operação Mãos Limpas, da Itália, nos anos 90 — que também desbaratou a corrupção no país. Mas combater os poderosos não era tarefa fácil e a Operação Mãos Limpas trouxe avanços, mas acabou fracassando. E qual seria o futuro da Lava Jato?

*Com informações de Thiago Uberreich e Adriana Reid

- Advertisment -

Most Popular

CPI da Covid-19 vai investigar verbas da União destinadas a Estados e municípios

Após a decisão liminar do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), fará, na tarde...

‘Bolsonaro queria que telefonema fosse divulgado’, afirma Jorge Kajuru

O senador Jorge Kajuru afirmou que o presidente Jair Bolsonaro queria que o áudio da conversa de ambos gravado no sábado, dia 10, fosse...

Tarcísio Gomes de Freitas nega que nova lei de trânsito beneficie infratores

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, rebateu críticas de que parte das mudanças no Código de Trânsito Brasileiro favorecem os infratores. Especialistas...

Deputada Margarete Coelho defende maior clareza na Lei de Segurança Nacional

A Câmara dos Deputados vota a urgência na revisão da Lei de Segurança Nacional. A relatora do projeto, deputada Margarete Coelho (PP), promete a...