domingo, junho 20, 2021
Home Política Em defesa enviada ao Exército, Pazuello nega participação em ato político

Em defesa enviada ao Exército, Pazuello nega participação em ato político

O governo federal trabalha para evitar punição rigorosa ao ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, por ter participado de manifestação com o presidente Jair Bolsonaro no último domingo, 23. O Exército Brasileiro, por sua vez, não esconde o mal estar. O temor é que uma punição leve acabe incentivando a politização dentro dos quartéis. Nesta quinta-feira, 27, Bolsonaro saiu em defesa de Pazuello e disse que não vê problemas na participação do ex-ministro, indicando, inclusive, qual caminho o general deve seguir para justificar a presença no evento. “É um encontro que não teve nenhum viés político, até porque eu não estou filiado a partido político nenhum ainda. Foi um movimento pela liberdade, pela democracia e apoio ao presidente”, disse. Em sua defesa no processo administrativo aberto pelo comando do Exército, Pazuello alegou, justamente, que o ato no Rio de Janeiro não se tratou de um evento político partidário, mas de um passeio automobilístico. O ex-ministro afirmou ainda que o país não está em período eleitoral e que o presidente Bolsonaro não é filiado a nenhum partido político.

Uma das justificativas de quem defende a punição de Pazuello é que a falta de um posicionamento do Exército pode incentivar a politização nos quartéis. Ao comentar nesta quinta-feira as medidas restritivas anunciadas por governadores e prefeitos, o presidente reafirmou aos militares que espera que eles atuem seguindo o que diz a Constituição. O presidente tem afirmado que o Exército não será acionado para garantir o cumprimento de nenhuma medida que impeça a circulação de pessoas e ainda afirmou que espera que o retorno à normalidade aconteça com rapidez. Ainda nesta quinta-feira, durante almoço com comandantes militares na Amazônia, o presidente voltou a reclamar da polarização no país. De olho nas eleições presidenciais do ano que vem, afirmou que é preciso que a população não erre mais. Bolsonaro ainda admitiu que, atualmente, tudo gira em torno de política. “Ninguém está aqui para fazer discurso político, mas somos seres políticos. Temos essa oportunidade, Deus deu essa missão para nós, vamos aproveitar no bom sentido”, disse.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

- Advertisment -

Most Popular

Ministro das Comunicações reclama de jornalistas, políticos e artistas ‘que torcem pelo vírus’

Fábio Faria, ministro das Comunicações do governo Bolsonaro, reclamou do tratamento dado às mortes por Covid-19 por parte do país. “Em breve, vocês verão...

CPI da Covid-19 se posiciona sobre meio milhão de mortos: ‘Vidas que poderiam ter sido poupadas’

O Brasil superou a marca de meio milhão de mortos em decorrência da Covid-19 neste sábado, 19. Segundo o Conselho Nacional de Secretários da...

Lula lamenta 500 mil mortes por Covid-19: ‘Isso tem nome e é genocídio’

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi às redes sociais lamentar a marca de 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil. O...

Em balanço dos 900 dias de Bolsonaro, governo celebra doses aplicadas e retomada da economia

O governo federal publicou um balanço dos 900 dias do mandato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) listando as ações e conquistas de sua...