domingo, abril 11, 2021
Home Política Braga Netto diz que golpe de 1964 deve ser celebrado em ‘contexto...

Braga Netto diz que golpe de 1964 deve ser celebrado em ‘contexto histórico’

No primeiro ato como novo ministro da Defesa, o general Walter Braga Netto defendeu a importância do golpe militar de 1964. Em ordem do dia, mensagem aos quartéis, ele afirmou que o golpe como parte da “trajetória história do país deve ser compreendido e celebrado”. O golpe, que completa 57 anos, deve ser analisado, ainda segundo o governo, como um processo histórico a partir do contexto da época em um momento, segundo Braga Neto, que as “Forças Armadas acabaram assumindo a responsabilidade de pacificar o País, enfrentando os desgastes para reorganizá-lo e garantir as liberdades democráticas que hoje desfrutamos.”

Ainda segundo a mensagem, Marinha, Exercício e a Aeronáutica acompanham as mudanças conscientes de sua missão constitucional de defender a Pátria, garantir os poderes constitucionais e seguros de que a harmonia e o equilíbrio entre os poderes preservarão a paz e a estabilidade no nosso país. No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro classificou a data como dita da liberdade. E desde que assumiu tem incentivado comemorações nos quartéis. Neste ano, a data ficará marcada pelas mudanças anunciadas pelo presidente no comando militar. Depois de ter demitido na segunda-feira, 29, o ministro da Defesa Fernando Azevedo, o chefe do Executivo também determinou a substituição dos três comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica. A mudança significativa nas Forças Armadas, nesse momento de crise sanitária, acendeu sinal de alerta em Brasília. A grande reclamação é com o fato do presidente procurar demonstrações públicas de apoio dos comandantes militares que, até então, vinham evitado, resistindo, à politização nos quartéis.

No Congresso Nacional, a movimentação tem sido cuidadosamente acompanhada. O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, no entanto, evitou polemizar, afirmando que as substituições são normais e que não é hora de especulação. Pacheco disse ainda que a obrigação dele é acreditar e confiar que se trata apenas de um rearranjo dentro do governo. “As Forças Armadas, que têm um compromisso constitucional de não promover a guerra, mas de garantir a paz. Esse é o compromisso das Forças Armadas. Temos plena e absoluta confiança nisso, nesse amadurecimento civilizatório do brasil, de preservação absoluta do Estado Democrático de Direito do qual fazem parte as Forças Armadas”, disse. O deputado general Girão minimizou as polêmicas. Ele classificou as mudanças como normais e disse que o problema é que, atualmente, existe uma guerra política no país. “Ministro da Defesa é muito importante, é o mantenedor da garantia de que teremos soberania, teremos paz em nosso território nacional.”

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

- Advertisment -

Most Popular

Lamento os superpoderes que o STF deu a governadores e prefeitos, diz Bolsonaro

Em visita a venezuelanos na cidade de São Sebastião, no Distrito Federal, neste sábado, 10, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou a decisão...

Barroso diz que consultou colegas do STF antes de mandar Senado instalar CPI da Covid-19

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) disse que consultou todos os ministros da Corte antes de determinar a instalação da...

As aventuras (ou farsas?) do Capitão de Longo Curso, de Jorge Amado (contém spoiler)

Os Velhos Marinheiros ou o Capitão de Longo Curso é um romance escrito por Jorge Amado, afirma Rafael Libman, leitor ávido e...

Ao lado de Bolsonaro, chefe do Estado-Maior do Exército diz que ‘espada não tem partido’

Na primeira solenidade militar realizada depois da troca dos comandos das três Forças Armadas, o presidente Jair Bolsonaro ouviu do chefe do Estado-Maior do...